terça-feira, 16 de julho de 2013

Bexiga caída atinge 20% das mulheres com mais de 40 anos, mas tem cura


Saúde.
Vergonha e desconhecimento levam muitas mulheres a acreditar que enfrentam um problema raro e a se afastar do tratamento. Mas a queda da parede da vagina, o prolapso genital, é mais comum do que se imagina. A doença, que pode surgir a partir dos 40 anos, atinge duas em cada 10 mulheres, trazendo problemas para a vida sexual, incontinência urinária, dor intensa e piora considerável da qualidade de vida. Apesar das complicações, especialistas avisam que há como reverter e evitar a disfunção.

Popularmente conhecido como bexiga caída, o prolapso genital acontece devido ao enfraquecimento dos músculos da região pélvica, causando o deslocamento de órgãos como o útero, a bexiga, o reto, o intestino delgado e a uretra. “Existem quatro graus de prolapso. Nos mais graves, a mulher sente uma bola na região genital, que causa enorme desconforto e constrangimento. Ela passa a evitar o parceiro, já que, além da vergonha, o ato sexual pode se tornar doloroso. A doença prejudica também a qualidade de vida, uma vez que causa perda involuntária de urina”, explica a ginecologista Sílvia Carramão. Segundo a médica da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, o principal sintoma do problema “é a sensação de uma bola descendo pela vagina”. “A bola, na verdade, é a parede da vagina caindo”, explica.