sexta-feira, 20 de setembro de 2013

Seu toque!

POR MADÚ DUMONT...


Seu toque abriu minha carne ao calor,
à luz,
como uma flor.
Suas mãos com a textura de seda
sobre a minha pele febril.
Meus olhos convidavam-no,
eu queria ostentar o jogo
que havia dentro de mim.


Sua mão movia-se furtiva,
suave.
Tocava os lábios do meu sexo,
mordiscava um mamilo.
Era tantalizante,
cruel.
Uma febre que não se contentava
apenas com o prazer.


Nossos corpos carregados de desejos,
obcecados por nossas exigências eróticas.
Precipitei-me sobre ele como uma tempestade,
deixou-me bêbeda com palavras acariciantes.
Meu corpo inteiro estremecia.
Avançou comigo para o crescente,
e selvagem,
ápice do orgasmo.