segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Dilma mostra sua cara autoritária contra a imprensa.

A presidente Dilma fez uma de suas declarações mais infelizes essa semana, e olha que a lista é grande. Trata-se de sua visão sobre a função da imprensa que, para ela, deveria ser apenas de informar, não de investigar. Demonstra, como disse Ricardo Noblat, profunda ignorância acerca do papel do jornalismo, e se aproxima da postura autoritária de Lula sobre o assunto. Disse Dilma:

Pedirei ao ministro Teori a mesma coisa: quero ser informada se no governo tem alguém envolvido. Não tenho porque dizer que tem alguém envolvido, porque não reconheço na revista “Veja” e nem em nenhum órgão de imprensa o status que tem a PF, o MP e o Supremo. Não é função da imprensa fazer investigação e sim divulgar informações. Agora, ninguém diz que a informação é correta. Não prejulgo, mas também não faço outra coisa: não comprometo prova. Porque o câncer que tem nos processos de corrupção é que a gente investiga, investiga, investiga e ainda continua impune. Não é possível que a revista “Veja” saiba de uma coisa e o governo não saiba quem é que está envolvido. Pedi primeiro para a PF, que me disse: não posso entregar, a investigação está em curso e peça ao MP. E o MP me disse a mesma coisa: se ele me disser, ele contamina a prova. Se ele me disser, ele contamina a prova.

O que Dilma finge desconhecer é justamente a enorme quantidade de denúncias e escândalos que vieram à tona somente graças às investigações da imprensa. Não fosse esse exaustivo trabalho de investigação dos jornalistas dos (poucos) veículos independentes que sobraram, inúmeros casos de desvio de recursos públicos sequer seriam de conhecimento do público.

O escândalo que culminou no impeachment de Collor, o dos anões do orçamento, o próprio mensalão que abalou a República, tudo isso foi fruto das investigações da imprensa, que apenas depois virou alvo do trabalho de apuração por parte da Justiça. No Brasil, a imprensa tem exercido um papel fundamental ao lançar luz sobre as sombras na política.

Além do mais, Dilma parece confundir estado com governo, como de praxe no PT. Cita órgãos de estado como se fossem controlados pelo governo, ignorando que sua função é justamente investigar o próprio governo. Merval Pereira resume bem a incoerência em sua coluna de hoje:

A presidente Dilma
Fonte O GLOBO